domingo, 13 de agosto de 2017

Atitude


Um pré-requisito para se tornar uma pessoa entusiasmada e automotivada é acreditar que as coisas vão acabar bem, e não mal, que nós vamos ter sucesso, e não fracassos; que, independentemente do que possa ou não acontecer, vamos ser felizes.
Não há nada mais útil do que manter essa atitude otimista de expectativa: a atitude que sempre busca e espera o melhor, o maior e o mais feliz, e nunca se permite entrar em um estado de espírito pessimista e desanimado.
Devemos acreditar que faremos o que fomos destinados a fazer. Nunca sequer por um momento devemos ter dúvida disso.
Independente do que estamos tentando fazer ou ser, devemos sempre assumir uma atitude otimista de expectativa e esperança. Isso vai nos permitir crescer em todas as nossas capacidades.
As pessoas bem-sucedidas se dão tratamentos de prosperidade e sucesso, incentivando-se e fazendo com que suas mentes sejam positivas, de modo que elas fiquem imunes a todos os pensamentos negativos desmotivantes.
O único mundo do qual saberemos qualquer coisa a respeito, o único mundo que é verdadeiro para nós, neste momento, é o  que criamos mentalmente, ou seja, o mundo do qual temos consciência. O ambiente que moldamos de nossos pensamentos nossas convicções, nossos ideais, nossa filosofia é o único no qual viveremos. Outra  inspiração, novas ideias virão amanhã. Hoje, devemos realizar a inspiração do dia.
Nenhum ser humano jamais fez sucesso tentando ser outra pessoa, mesmo que esta outra tenha sido um sucesso. O sucesso não pode ser copiado, não pode ser imitado com êxito. É uma força original, uma criação individual.
O entusiasmo ou vem de dentro ou não vem de lugar nenhum. Devemos ser nós mesmos. Devemos ouvir a voz interior. [...].

CARNEGIE, Dale. Como ter uma vida mais rica e influenciar pessoas. Rio de Janeiro: Best Seller, 2013. p. 40-41.


Arte de Marianne Broome

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

O mundo exterior é um reflexo do seu mundo interior


Saibam que não podem encontrar exteriormente nada que já não tenham encontrado em vocês. Pois mesmo aquilo que vocês encontram exteriormente, se já não tiverem encontrado interiormente, passará despercebido. Quanto mais vocês tiverem descoberto interiormente o amor, a sabedoria e a beleza, mais poderão descobri-los ao seu redor. Vocês imaginam que se não estão vendo certas coisas, é porque elas não estão presentes. Elas estão ali, sim, e se vocês não as veem é porque não as desenvolveram suficientemente dentro de vocês. O mundo exterior é feito apenas de reflexos do mundo interior, logo, não se iludam, vocês nunca encontrarão a riqueza, a paz e a felicidade exteriormente se não tiverem feito antes o esforço de encontrá-las interiormente.

AÏVANHOV, Omraam Mikhaël. Regras de ouro para a vida cotidiana. Rio de janeiro: Nova Era, 2010. p. 29-30.


Lilás

domingo, 30 de julho de 2017

O que o coração me diz


No convento franciscano de Lyon há uma inscrição que indica um caminho para nos sentirmos satisfeitos com a nossa vida: "Evite cobiçar tudo o que você vê, acreditar em tudo o que ouve, dizer tudo o que sabe e fazer tudo o que pode!" Quem quer tudo o que vê, nunca chegará a si mesmo. A sua felicidade depende do que possui. E vê sempre outras coisas que não possui. Portanto, nunca estará em sintonia consigo mesmo. Aquele que precisa dizer tudo o que sabe está constantemente pressionado a acrescentar algo à conversa. Ele precisa mostrar todo o seu conhecimento às pessoas. E nunca vivenciará o eco que tanto deseja. Preciso conformar-me com o que o coração me diz. Então estarei livre da pressão de ter de dizer tudo, fazer tudo, acreditar em tudo. 

GRÜN, Anselm. Deixe as preocupações de lado e viva em harmonia. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. p. 111-112.


Pintura de Paul de Longpre
Século XIX

terça-feira, 4 de julho de 2017

A vida é como um piquenique



A vida é como um piquenique em uma tarde de domingo: não dura muito. Só olhar o sol, sentir o perfume das flores ou respirar o ar puro já é uma alegria. Mas, se só ficarmos discutindo onde pôr a toalha, quem vai sentar onde, quem vai ficar com o peito ou a coxa do frango... que desperdício! Mais cedo ou  mais tarde o tempo muda, a tarde cai, e o piquenique termina.
E tudo o que fizemos foi discutir e implicar uns com os outros.

RINPOCHE, Chagdud Tulku. Sementes de sabedoria: reflexões budistas para cultivar a paz. Tês Coroas: Makara, 2012. p. 34.




Pintura de Edmund Tarbell (1862-1938).

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Olhar para o alto



Nos momentos de dificuldades, vocês estão habituados a se concentrar nelas, a não ver mais nada, ruminando longamente tudo o que não funciona, tudo o que lhes causa preocupação, inquietação, mágoa... Estar desse modo sempre olhando para baixo não é um bom método: é preciso tentar olhar para o alto, onde estão a luz, a sabedoria, a beleza e tudo aquilo, justamente, que pode ajudar sua alma a descobrir meios para superar as dificuldades. Mágoas e preocupações sempre existirão, vocês não serão poupados. Para superá-las, devem fazer o que se faz contra as intempéries e os insetos: equipar-se. Contra a chuva, vocês abrem um guarda-chuva; contra o frio, usam roupas quentes ou instalam um sistema de aquecimento; contra os mosquitos, recorrem a um mosquiteiro ou a um inseticida. Pois bem, contra as dificuldades, vocês devem olhar para o alto  para obter luz e força. Só assim triunfarão.

AÏVANHOV, Omraam Mikhael. Regras de ouro para a vida cotidiana. Rio de Janeiro: Nova Era, 2010. p. 88-89.






terça-feira, 6 de junho de 2017

Criatividade e pensamento positivo



Além de aprender a soltar, o uso correto da criatividade e o pensamento positivo nos ajudam a superar as dependências. 
Frequentemente vivemos na ilusão de que só podemos ficar alegres graças aos objetos, pessoas e lugares, mas a alegria é algo que experimentamos quando colocamos nosso coração em alguma coisa, sendo a nossa intenção a de dar, e não a de tomar.
Na atividade criativa, a que experimentamos mais gozo, nossa alegria vem de dentro e se expressa para fora; ela não vem de fora para dentro.
O desenvolvimento pessoal criativo nos ajuda a superar a preguiça. Ao superá-la, recuperamos a força necessária para libertar-nos de certas dependências, como a dependência da criatividade de outros para que eles nos entretenham. Está certo desfrutar do entretenimento, mas o importante é você ser capaz de passar um bom momento sendo criativo você mesmo, superando a preguiça, o aborrecimento e a atrofia criativa interior.
Com seus pensamentos e sentimentos você cria e percebe o mundo ao seu redor. Conforme sejam seus pensamentos, assim serão seus sentimentos e emoções, sua atitude e suas ações. Este processo costuma se produzir de forma rápida e, frequentemente, você nem é consciente de que está acontecendo. Como este processo se repete seguidamente, com facilidade a partir dele é criada uma série de hábitos. [...].
É importante aprender a transformar e chegar a evitar, quer dizer, a não criar os pensamentos desnecessários, para estar mais centrado e enérgico, e ter mais clareza a fim de tomar as decisões adequadas.
Os pensamentos positivos curam e fortalecem a mente. Uma mente sadia é a base de uma personalidade equilibrada.
Aprendamos a criar pensamentos de mais qualidade. Eles surgem de uma visão mais ampla do nosso ser interior. Dessa forma, graças a esses pensamentos positivos, cheios de paz, harmonia e criatividade, a mente irá se limpando, e a memória das nossas qualidades inatas se ativará novamente, substituindo de forma natural os velhos hábitos e as tendências negativas.

SUBIRANA, Miriam. Viver em liberdade: limites, sonhos e o essencial. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. p. 50-52.


Pintura de Abraham Solomon (1823-1862)

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Fale apenas com uma boa finalidade

Dá-se muita atenção à importância moral de nossas ações e de seus efeitos. Os que procuram viver uma vida mais elevada passam também a compreender o poder moral de nossas palavras, tantas vezes esquecido.
Um dos sinais distintivos mais claros da vida moral é o discurso correto. O aperfeiçoamento de nosso discurso é um dos princípios básicos de um programa espiritual autêntico.
Antes de mais nada, pense antes de falar para ter certeza de que está falando com uma boa finalidade. O falatório vazio é um desrespeito aos outros. A exposição inconsequente de sua intimidade é um desrespeito a você mesmo.[...].
Se for preciso, mantenha-se sobretudo em silêncio ou fale com moderação. O falar, em si, não é bom nem ruim, mas o falar descuidado é tão comum que você precisa estar atento. Uma conversa frívola é uma conversa prejudicial. Além disso, é muito indelicado ser uma pessoa tagarela.[...].
Não é necessário limitar-se a assuntos elevados ou filosofar todo o tempo, mas fique atento para que o falatório comum não seja considerado uma discussão de alto nível. Nestes casos ele tem um efeito corrosivo no objetivo superior que você escolheu. Quando tagarelamos sobre frivolidades, nossa atenção fica tomada por elas e nós nos tornamos frívolos. Você se torna aquilo a que dá atenção.
Nós nos tornamos mesquinhos quando nos envolvemos em conversas a respeito de outras pessoas. De modo especial, evite acusar, elogiar ou comparar pessoas.
Tente, sempre que possível, quando perceber que a conversa em torno de você descai para o falatório fútil, trazer sutilmente o rumo da conversa de volta para assuntos mais construtivos. Se, contudo, você estiver cercado de estranhos, indiferentes, pode simplesmente se manter calado.
Seja uma pessoa bem-humorada e não dispense uma boa risada quando for o caso, [...]. Ria com nunca ria de.
Se puder, evite sempre fazer promessas frívolas.

EPICTETO. A arte de viver. Interpretação de Sharon Lebell. Rio de Janeiro: Sextante, 2000. p. 114-115.



Pintura de Carl Larsson (1853-1919)